terça-feira, 17 de março de 2009

Pensei, escrevi.



Letra e tradução do vídeo em: http://vagalume.uol.com.br/dido/dont-believe-in-love.html

Eu não entendia como podia alguém não amar quando se é tão amado.
Eu não compreendia que quando alguém quebra um pedacinho do coração, ficam as rachaduras. E que elas doem.
Eu não aceitava que a falta de "eu te amo" era falta de amor, e que era inevitável.
Eu não acreditava que era possível fazer de tudo e alguém não dar valor.

Mas hoje entendo, compreendo, aceito e acredito. Sim, tudo é possível.
Mas aceitaria mais o mundo se todos amássemos quem verdadeiramente nos ama;
Em tão grande intensidade;
E
em tão pura sinceridade.

Porém, hoje ainda não sei se quero ter o que mais quero ter.

2 comentários:

ËÐÜ <(Zezinho)> disse...

Sua sinceridade e inteligência me encantam!

Liz disse...

Amar as individualidades, amar as diferenças. Amar até quando não se é amado. Amar quando se é muito amado. Vale o amor. E rachaduras fecham. E são pintadas com outras cores, outros amores. Vale viver amando, viver sonhando.