segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Cheiro de azul




















sales ouve: "Azul" - Djavan
sales vê: mesa, cadernos, vinho e taça
sales sente: nada
sales fala: "minha inspiração..."

Deletei.

Deletei tudo o que escrevi pra ouvir Djavan. E pra ouvir a voz do silêncio.


Resolvi escrever sobre o azul.

O céu é azul. Os olhos podem ser azuis. Os azulejos também.
O mar, o entardecer, o luar. Até o amor é azulzinho.

O azul fica à vista. E de graça.

O lugar que você mora é azul. E se você nadar no fundo do mar, ele vai ser ... azul!
Decidi. Decidi que tudo é azul.
Decidi que o nada... é azul.

Sem nexo, de graça.
E azul.

Um comentário: